Domingo, 15 de Julho de 2007

London date, French kiss

            

                 Esforcei-me para chegar a horas ao encontro com o Matt, mas a minha condição de mulher impediu-me de alcançar esse feito. Por pior que fosse esse hábito de nunca chegar a horas, custava-me cada vez mais vencê-lo. Desleixava-me em relação às horas em encontros com amigos, exactamente por saber que estava à vontade para isso. No entanto, ele não pareceu minimamente incomodado com isso e no seu caso, creio que a espera aumentou a ansiedade. Era um rapaz alto, moreno, com uns expressivos e alegres olhos azuis, cor de céu. Era mesmo bonito. Consoante me aproximava do local combinado, podia ver o seu sorriso aumentar. Inevitavelmente, sorri para ele. Na altura não me apercebi, mas com o seu gesto já havia ganho alguma da minha confiança.

 

Fez questão de me beijar a mão, qual cavalheiro inglês. Levou-me a beber um chá a uma casa chinesa. Fiquei bastante surpreendida com a sua atitude. Lembrou-me tanto o meu Joaquim. A principio temi por mim na sua presença. Após tamanha desilusão amorosa forçada que havia vivido com o Joaquim, encontrar um homem que se parecesse com ele, era bastante perigoso. Arriscava-me a querê-lo apenas por me lembrar outro alguém, outro coração a quem chamei “casa”.

 

Estas dúvidas só se desvaneceram com o tempo. Percebi aos poucos que a bondade do Joaquim, não estava latente neste homem. Que a perfeita simbiose em que vivi a minha vida ao lado do homem com quem escolhi casar-me, estava longe de acontecer com o Matt. Ainda hoje sei que jamais poderia ficar com ele toda a minha vida. Os nossos espiritos eram um tanto dispáres, as nossas almas almejavam diferentes realizações pessoais. Algo que nos distanciou lentamente e nós impediu de continuar enquanto namorados.

 

Após aquela noite de harmoniosa conversa, acompanhada de um chá, um cheiro agradável a insenso e luz ambiente, encontrámo-nos mais algumas vezes até ao nosso primeiro beijo. Fez-me a corte digna de um romance de cavalaria. Exactamente como viamos nos filmes, era impossível resistir ao seu charme. Ele fazia-me esquecer o mundo, as desilusões, o Joaquim, o que havia deixado em Lisboa. Fui completamente introduzida na vida londrina da altura, a Brigida costumava dizer-me que já não era portuguesa e que não voltaria a Portugal com o final do curso. No final foi ela quem ficou.

 

Claro que namorar um londrino me facilitou em muito a aprendizagem do inglês e integração na sociedade. Comecei a compreendê-los bem melhor do que antes. Eram educados demais, frios e distantes. As suas vidas eram stressantes, preenchidas, vazias. O Matt e eu não passámos por essa fase da vida, eramos muito jovens, ainda estudavamos, tinhamos todo o tempo do mundo um para o outro. Passavamos imenso tempo juntos. Eramos alunos de artes, factor que influenciava em muito a nossa relação, pois era um ponto comum e de acordo. Tinhamos gostos muito parecidos e chegámos mesmo a pensar em trabalhar juntos, para um objectivo comum. Adoravamos visitar galerias de arte, exposições. A nossa tarde de domingo era geralmente passada no parque da cidade, a ler um livro.

 

Como artistas que eramos, a viver numa cidade como Londres, eramos pessoas naturalmente excêntricas. Tinhamos alguns gostos um tanto ou quanto bizarros. Abandonei os meus vestidos esvoaçantes e o meu toque doce e inocente. Adaptei um estilo chamado actualmente “street”, jeans, sapatilhas de ténis. Algo muito diferente, mais descontraído e adaptado à vida de metrópole. Quadrados, bolas, cores berrantes, padrões invulgares. Cheguei a ser feliz. O Matt tratava-me como a uma princesa. Era terno, compreensivo, respeitador, divertido. Discutiamos pelas nossas diferenças, mas no essencial concordavamos. Ao seu lado descobri que o amor exige muita aceitação, paciência. Descobri que no fundo tinha que ser um pouco menos caprichosa e muitas vezes desejei correr dali para fora e voltar para os braços do Joaquim. Ele sim me acolhia como ninguém. Arrependi-me amargamente pelo meu erro em todas as noites passadas no meu flat a chorar, apenas em companhia da Brigida. Hoje em dia encaro tudo como um mal necessário. A minha atitude infantil custou-me caro, mas fez de mim a mulher que sou hoje.

 

Por vezes pareço mal agradecida, mas na verdade o Joaquim continua a ser parte da minha existência e sei que no fundo de nós existe ainda muito amor....

 

 

 

 

 

Ass: Rosa

 

 

 

 

 

 

sinto-me:
música: chris daughtry - home
marcadores:
escrito por reversivel às 17:22
link do post | opina | favorito
|
badge

.reversibilidade ao pormenor

.pesquisar

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.clica para fugir daqui

.marcadores

. todas as tags

.o nosso dia-a-dia

.O que se ouve por aqui

blogs SAPO

.subscrever feeds