Sábado, 26 de Abril de 2008

Depois da tempestade...



Com a Primavera, as horas de luz arrastavam-se enquanto nos perdíamos um no outro. Desde o início da minha relação com a Mafalda que esperava por este momento. As amarras que outrora me mantinham agarrado a um passado sem futuro já se haviam dissipado. Foi a Mafalda que não me deixou cair na indiferença com que habitualmente tratamos aqueles com quem privámos e que agora estão longe!

 

Estranhei não ter tido qualquer resposta da Rosa, mas também não era esse o intuito da carta que lhe enviara. Queria paz de espírito e tinha-a agora. Vivia o dia-a-dia de forma despreocupada, coisa que só se pode fazer mesmo naquela idade. Continuava no meu trabalho na loja de discos. Tinha poucas responsabilidade e nem sequer era mal pago. O melhor desse trabalho era estar constantemente a descobrir sonoridades novas. Várias vezes levava discos para ouvir em casa. Era um espécie de simbiose a que eu mantinha com as bandas nas horas mortas. Elas acompanhavam as minhas divagações, os meus sonhos, as minhas expectativas.

 

Todos os dias ao entardecer, após fechar a loja, ia ter com a Mafalda. Aproveitávamos todos os momentos possíveis para estarmos juntos. Com o tempo fui criando uma adição inexplicável à presença dela. Já não equacionava como possível passar um dia que fosse sem estar com ela, nem que fosse só para falar sobre como nos tinha corrido o dia. Os temas desinteressantes ganhavam um interesse inédito.

 

Quanto às aulas de guitarra já as havia abandonado. Não tinha um especial jeito para tocar guitarra e muito menos para aprender toda a teoria da guitarra clássica. Fiquei-me por tê-la como um passatempo. Já a Mafalda tinha um interesse bem mais profundo que eu. Continuava nas aulas e a evolução que fizera era já perceptível. Dias haviam em que me tentava ensinar qualquer coisa, e eu ficava olhar a destreza e graciosidade com que tocava, sem sequer tomar atenção ao que me estava a tentar transmitir.

 

Por várias vezes eu e a Mafalda adormecíamos a falar um com o outro, e uma vez que acordava sempre antes dela, passava largos minutos a observá-la. Era nesses momentos em que pensava no que nos reservaria o futuro. Novamente idealizava um futuro a dois a longo prazo. Se fosse possível parar o presente o transpor-lo para o futuro, com certeza que seria diferente. O problema é que se tem que viver...


 


 

Ass: Joaquim

sinto-me: alheado
música: Rapaz a Arder - A Naifa
escrito por reversivel às 19:02
link do post | opina | favorito
|
4 comentários:
De misskistch a 28 de Abril de 2008 às 10:45
Quim, és um romântico, porra!
Não tinha ideia. "Por várias vezes eu e a Mafalda adormecíamos a falar um com o outro, e uma vez que acordava sempre antes dela, passava largos minutos a observá-la"

Lindinho! ;)
De misskitsch a 29 de Agosto de 2008 às 12:23
Write something newwwww!
De Pipa a 7 de Outubro de 2008 às 15:30
nao há mais?!?!?
De rose a 17 de Novembro de 2008 às 23:44
Escrevam mais!!!!

Comentar post

badge

.reversibilidade ao pormenor

.pesquisar

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.clica para fugir daqui

.marcadores

. todas as tags

.o nosso dia-a-dia

.O que se ouve por aqui

blogs SAPO

.subscrever feeds